terça-feira, 27 de outubro de 2015

Amanhã ainda é dia, pois dia não mata dia e assim vive o angolano o seu dia a dia

Amanhã ainda é dia, pois dia não mata dia e assim vive o angolano o seu dia a dia.
Que diferença faz ser o melhor, se o pior tem tantas mais ou melhores beneces. Pontualidade, constância, integridade e honestidade estão em baixa no mercado. O que vale é ser esperto, ser vivo e ter olho para a coisa.
Tudo o demais é coisa de quem não tem ambição na vida, como se a ambição não pudesse ser coroada de virtudes e boa conduta.

A ambição está a ser muito mal interpretada nos dias de hoje.
Parece que querer o bom e o melhor da vida está intrínseco a uma postura  de não ver meios para atingir fins. Non emport qua, o propósito é atingir o objectivo, seja de que modo for.

Daí se confunde e mistura tudo, põe-se, tudo que é farinha para dentro do mesmo saco. Seja farinha fina, farinha grossa, farinha para fritos, farinha para bolos, já não se faz distinção, vai tudo para o mesmo saco, daí que: que diferença afinal faz ser uma farinha mais tal ou menos qual se o saco acabará por ser o mesmo?

Não importam as acções pois elas são todas justificadas, se se atrasa a culpa é do trânsito horrível desta cidade, se não se vai trabalhar a culpa é da chuva ou de famíliares que decidem morrer ao menos duas vezes ao mês – com todo o respeito por aqueles que têm muitos maus anos, cheios de perdas irreparáveis entre os seus - ; se isso ou se aquilo, há sempre uma desculpa recorrente, mas sempre bastante aceitável. A grande questão é, e aqueles que não dão desculpas, que fazem, se das tripas coração ou da sua própria vida um acto continuo de auto-disciplina, esses o que são? Aqueles que cumprem a sua palavra, que se esforçam a brava, afinal o que são? E aqueles que conseguem, que ganham louros e logros serão todos filhos ou afilhados de fulano e beltrano?

Pois é, não se sabe, no meio de tanta mistura, onde até o joio passa por trigo e se vive o melhor que se pode, procurando não ter um colapso nervoso no meio de todo esse processo.

O importante é estar de bem com a própria consciência, se nervosa ou se tranquila, o importante é que se estiver tudo bem, não importa o quê ou quem.

Portanto a opção é ser aquilo que se é, desde que isso dê paz de alma. O que para muitos pode ser considerado vão ou pura loucura pode ser parte de um plano pessoal bem maior. No fundo pouco ou nada se sabe do outro, tanto quanto de si mesmo.

E caso não der sequer vontade de pensar mais sobre o assunto e olhar para os próprios defeitos e imperfeições a ver se, se encaixam ou não, no meio social, junte-se aos seus bons amigos, qualquer pretexto será bom e façam um brinde a estupidez porque amanhã ainda dia.

Redação e Locução: Mel Gambôa para o programa "Amanhã é Outro Dia" de Paulo Araújo na LAC - Luanda Antena Comercial - 95.5 FM



Sem comentários:

Enviar um comentário