terça-feira, 27 de outubro de 2015

Sobre a virtuosidade feminina

A apelação constante a virtuosidade da mulher pelos homens e por si mesmas e como isso a impede de viver totalmente os seus sonhos, desejos e anseios.

É facto de que quanto mais virtuosa, tradicional e entre aspas boa moça, parecer uma mulher, melhor a sociedade a integra.

Qualquer tentativa de fazer diferente ou o contrário do que se espera é o primeiro passo para a ostracização.

Nem é preciso ir muito longe, como por exemplo até ao ponto em que qualquer vontade própria seja denomida prejorativamente e com o mero intuito de insultar, de mulher que faz comercio carnal.

Podemos começar pelo mais simples. Por exemplo e bom se usarmos também a balança para comparação. Uma mulher se é exigente significa que é mandona, caso fosse um homem, o adjectivo exigente sobraria e bastaria. Uma mulher se é assertiva significa que é orgulhosa e altiva, caso fosse um homem o adjectivo seria mais do que suficiente e ainda receberia aplausos. Uma mulher que diz não, que sabe exactamente o que quer e COMO quer, é insolente, malcriada e egoísta, caso fosse um homem, bom, caso fosse um homem isso seria nada mais, nada menos que um belo traço de virilidade.

Com isso tudo, se subjugam as pessoas a papéis que alguém pré-determinou estarem relacionados com as suas características biológicas, quando nem sequer existe nada que comprove científicamente que uma mulher possa ser exigente, assertiva e objectiva sem que automaticamente seja equiparada a uma meretriz, pois tais características não se coadunam ao comportamento virtuoso, tradicional e de suprema bondade – independentemente de qualquer circunstância - daquilo que se espera da mulher.

O mais interessante é que muitas mulheres inclusive, esperam isso de si próprias e esperam que todas as suas congeres partilhem das suas expectativas individuais.

Acontece que, e isso é uma opinião a generalizar, as maiores defensoras da virtuosidade feminina têm gigantescos telhados de vidro e quanto mais puderem desviar as atenções de si mesmas, melhor.

Porque o que é certo e com diferenças mínimas tais como os genitais e a forma de se procriar,  a mente, o cérebro e o corpo do ser humano seja ele masculino ou feminino funcionam da mesma maneira.

Tanto que, da mesma maneira que se força a virtuosidade feminina, se reforça a virilidade masculina que caso não se manifeste como o que se espera de modo geral, então esse individuo é conotado como afeminado, transformando o que é feminino como algo negativo de modos a que, para que alguns espécimes desse género não sejam compelidos a uma revolta, alguém decidiu inventar esse mito da virtuosidade feminina e quem não concordar não passa de uma mulher que exerce o comércio carnal ou de um homem afeminado; que em conclusão são formas prejorativas de manter todo o mundo no seu lugar, distrair as massas e evitar que afinal quem manda, seja confrontado. Na verdade todos os seres humanos têm uma necessidade absoluta de realizares sonhos, desejos e expectativas, têm todos o direito a isso e não deveria haver nada que os impedisse de tal inclusive de viver em paz com os erros que todo esse processo acarrete. Não deixe para amanhã e depois, mesmo que amanhã ainda seja outro dia.


Redação e locução de Mel Gamboa para o programa "Amanhã é Outro Dia" de Paulo Araújo da LAC - Luanda Antena Comercial 95.5 FM

Sem comentários:

Enviar um comentário