sexta-feira, 3 de março de 2017

Crianças são pessoas humanas de direitos.

Os mesmos ditadores domésticos que abusam de mulheres, também abusam de crianças.
Contudo o azar de ser criança, é que mesmo uma mulher abusada pelo homem, esta por sua vez, costuma ser também abusiva, mas com quem ela não acha tão digna de respeito - ou temor - como é o caso das crianças.

Enquanto meninos/rapazes são parcialmente poupados dos
abusos de mulheres, por serem os futuros machos e patriarcas; meninas/raparigas são brutalmente abusadas por mulheres adultas (e não, uma mulher adulta abusada por um homem ou na infância NAO TEM LEGITIMIDADE DE SER ABUSIVA POR ISSO).
A infância de muitos meninos/rapazes é repleta de abusos. Principalmente da parte dos homens. Mulheres adultas abusam de meninos, mas quando se trata de meninos o abuso é diferente pois afinal eles são machos.
Já a infância das meninas/raparigas..., só quem nasceu com vagina para saber o que é levar com pau até a domesticação mental e física fazer efeito. As marcas ficam gravadas como que com ferro em brasa, na memória e no corpo. Homens abusam de mulheres e crianças de ambos os sexos, mas
quando a mulher ainda é criança ou seja menina, o abuso vem de todos os lados e segundo a cultura, tradição, hábitos e costumes, a menina NAO PODE E NEM DEVE SE DEFENDER. O cúmulo do absurdo do patriarcado.
Homens adultos desde pais, padrastos, tios, primos mais velhos, avôs, amigos da família no alto do seu privilégio machista misógino, abusam de meninas por elas além de serem do sexo feminino, serem crianças.
Mulheres adultas, abusadas por homens, muitas conseguem ser EXTREMAMENTE abusivas com crianças e principalmente com crianças do sexo feminino. Afinal quando não se tem ovários para fazer frente a misóginos, se ataca a quem não se pode defender. E como a reprodução de
misoginia é o que está sempre em alta, fica mais fácil atacar a quem é criança e ainda chamam de "ah porque tão a educar", "ah porque tão a ensinar", "ah porque amor"... tudo cu de rola.
Muitas mulheres têm a cara de pau de dizer que "se elas na infância não morreram e são mulheres feitas, as filhas/sobrinhas/enteadas" também vão sobreviver... não importa como, nem
sequer se dão ao trabalho de reflectir sobre isso.
Ou seja, a sociedade patriarcal é uma sociedade abusiva e violenta e o mais surpreendente é que pessoas adultas são TAO PREGUIÇOSAS que a maioria não se dá ao trabalho de pensar, questionar e rever as suas posturas e comportamentos. O facto de alguém ter sofrido abusos na
infância, não legitima que dê continuidade aos abusos para as gerações seguintes ou use argumentos religiosos e culturais para manter a violência institucionalizada como norma.
Querem vingança? Então tenham as bolas para enfrentar e confrontar que vos fez mal e não crianças que NAO TEM NADA A VER COM O VOSSO PASSADO.
Como adultos, maiores de idade, autónomos e independentes é DE EXTREMA IMPORTÂNCIA tirar partido do poder etário e do capital cultural adquirido com a experiência de vida, para parar com aquilo que esta errado a partir de si mesmo. Ficar a falar mal da sociedade, do tipo "ah porque sociedade doente e bonhonhos" é coisa de GENTE PREGUIÇOSA, pois cada pessoa é parte dessa sociedade e deve fazer a sua parte.

Mulheres são pessoas humanas. Crianças são pessoas humanas. Ambos de direito.

O patriarcado tem que acabar, pois legitima homens adultos como donos e proprietários de outras pessoas em função do sexo e da idade. Homens devem colocar a mão na consciência. Mulheres adultas também. E crianças devem começar a ser tratadas como pessoas.
Os papéis de género têm que ser abolidos pois são puro sadismo e ataque a 
multidimensionalidade e plenitude humana.

Sem comentários:

Enviar um comentário