sexta-feira, 28 de julho de 2017

Sobre a mestiçagem.

Perguntaram-me se numa guerra racial de que lado eu ficaria, se dos negros ou dos brancos.

E eu respondi que colocaria TODO MUNDO NA LINHA, porque comigo ninguém se arma em carapau de corrida e ponto.

Ou seja se eu tivesse que analisar isso numa micro escala, analisaria pela minha mãe e o meu pai, caso ambos estivessem num conflito racial (tanto conflito que eu fui resultado de fecundação natural affff). Anyway, voltando a vaca fria:

1. Numa guerra a gente escolhe QUEM MAIS NOS CONVÉM. Aqui ninguém é inocente nem o/a mais exímio/a altruísta. No caso de ter mãe e pai em guerra a pessoa vai escolher o/a progenitor/a que mais convém, simples.
Dizem que mãe só há uma, mas é um facto de que existem mães dos infernos, assim como por mais negligentes que muitos pais sejam, na vida real há filhos que tomam partido do pai (porque é tudo uma questão de conveniência e isso está muito mais além de sexo, raça e classe) e essas conveniências estão relacionadas ao conforto emocional, físico e/ou financeiro.

2. Tomar partido numa guerra entre terceiros na maior parte das vezes, para não dizer em todas as vezes, as pessoas não o fazem por quem tem ou não razão. As pessoas tomam partidos por causa dos vínculos com as pessoas que têm do lado que escolhem ou em função dos valores pelos quais regem a sua própria vida e isso está mais além do que sexo, raça e classe.

3. Numa guerra entre terceiros também podemos nos encontrar numa situação incógnita, neutra ou no limbo e não tomar partido de ninguém, e no caso da raça, quem é mestiça/o está sempre num limbo (seja a mestiçagem entre as raças e etnias que forem) e que sejamos honestos, somos puxados e empurrados conforme as CONVENIÊNCIAS DOS OUTROS e conforme as nossas próprias conveniências nos acomodados a um ou outro grupo.

No caso de conflitos entre negros e brancos, mestiças/os frutos dessas relações interraciais seja de primeira, segunda e até terceira geração e quando a mestiçagem é evidente (isto é quando não passamos nem por brancos, nem por negros) sucede o seguinte:

a) Se estamos na Europa sofremos racismo, somos chamados de macacos, temos menores oportunidades académicas e somos automaticamente catalogadas/os como inferiores (caso não exista nenhuma pessoa negra para nos comparar e nos dizerem que "não somos tão negrxs assim"), as oportunidades de trabalho são sempre subalternas, para lograr crescimento social e profissional temos que trabalhar e provar dez vezes mais que os brancos de que somos capazes e a cereja no topo do bolo é que associada ao racismo está a xenofobia em que é muito frequente escutar o eterno "volta pra tua terra" (mesmo que sejas nascida/o e/ou criada/o toda vida na Europa).

b) Se estamos em Africa, temos todos os privilégios que tem uma pessoa branca quando não existem muitas pessoas brancas com quem competir, temos melhores oportunidades de ascensão social e profissional, somos catalogados como superiores (ou armados em superiores), só a cor já ajuda ou seja tudo óptimo até chegarem os banhos de xenofobia e é muito frequente escutar o eterno "volta para tua terra", esquebra do colono, filho/a de cobra (referindo-se ao branco), nem africana és (mesmo que sejas nascida/o e/ou criada/o em Africa).

c) Se estamos nas Américas, um continente de per si de emigrantes e miscigenação total, o truque é quanto mais pele clara menor o grau de racismo e maiores os privilégios ou vantagens sociais...o racismo dos brancos sim coloca a todos/as as/os negras/os e seus descendentes no mesmo barco, mas se a pessoa no degradê das cores estiver mais pro beige/branco do que para o castanho/preto então é só fazer a contabilidade. Comigo dissonância cognitiva e olimpíadas das opressões não colam.

d) Não vou falar ainda da Asia porque mais do que a questão racial as questões étnicas deles têm muito mais peso que no ocidente ou em países ocidentalizados.

Conclusão: ser mestiço é um limbo.
Somos usados por brancos para eles se acharem "menos ou não racistas de todo ou até mesmo <<inclusivos>>, só porque nos têm como amigos, família, relações".

Também somos usados por negros para fortalecer as fileiras do empoderamento negro e da luta contra o racismo a favor de uma supremacia negra e "restituição da pilhagem do tráfico de escravos".

Para piorar ambos querem nos esvaziar de identidade humana pois quem é fraco ou débil é mais facilmente manipulável, por isso é muito comum escutar pseudo-ciência sobre genética e frases feitas como: "ah mestiça/o não é raça", "se sofres racismo estrutural então és negro", " não és tão negra/o assim como os outros negros", etc, etc. Quando esses argumentos não funcionam usam a chantagem emocional ou gaslighting para sermos a favor de uns ou de outros do tipo "queres causar separatismo", "na vida tem que se escolher", "não podes ficar em cima do muro", "define-te", "aceita-te"... mas vai que uma pessoa se define e se aceita como SER HUMANA/O e ponto é aí que a histeria começa.

Nunca neguei que mestiças/os são/somos alvo de racismo (seria dissonância cognitiva querer fingir que isso não acontece), mas ainda assim não se perde os privilégios só por se ter alguns traços que denotem ascendência negra (é muito cinismo hipócrita fingir que por causa do racismo se perde parte do próprio capital cultural), pois isso já não admito balelas e nem me vou calar perante o EMBUSTE a que fui alvo e muitos temos sido alvo.

Mas nem por isso vou deixar de lutar contra o racismo (porque afecta a toda pessoa que não é branca ou não é lida como branca) e nem por isso vou negar os meus privilégios que não posso me impedir de os ter mas que sim posso utilizá-los de modo mais justo. Daí que entre brancos e negros se estão incomodados com a existência de MESTIÇAS/OS LIDEM COM ISSO OU MUDEM DE PLANETA.

Existimos e continuaremos a existir e não somos obrigados a tirar partido de ninguém. Eu só tiro partido de mim mesma...nem mesmo aqueles clubes de mestiços eu tolero (aqui nos EUA tá cheio deles e ficam de mimimi "ah porque colorismo" só para fingirem que também não pisam). Não tenho mais paciência.

Comigo é na base da conveniência e a minha conveniência é a RECIPROCIDADE.

#mestiçagem #racismo #privilégiodecor #pelofimdoracismo #pelofimdaxenofobia #pelofimdaimbecilidade #evoluçãohumana

Viajar é o antídoto para a ignorância quem nunca viajou que tenha a humildade de escutar quem o faz. Não se importa com isso, então prepare-se para receber aulas.

Sem comentários:

Enviar um comentário